De olhos fechados e mão na cabeça

Algumas crianças conversavam, quando Pedro perguntou:6_deolhos_fechados_mao_nacabeca

– Mas o que é passe?

– Eu não sei, só sei que tem que fechar o olho quando senta na cadeira – respondeu Laurinha.

– Por quê? – indagou Cristina.

– Sei lá, quando a gente entra na sala, a mulher fala para fechar o olho.

– Eu já fiquei de olho aberto – disse Ana.

E os outros perguntaram juntos:

– E aí?

– O que acontece? – interroga Pedro curioso.

– Nada! Tem um monte de gente na sala; uns sentados e outros em pé. As pessoas que estão em pé ficam na frente de quem está sentado. Continuar lendo

Mediunidade longe do dinheiro

As crianças se reuniram na casa de Laurinha para fazer trabalho de escola.

– Na semana passada, meu primo sonhou que acontecia um acidente com o meu tio. Ele acordou super assustado e contou para minha tia. E ontem meu tio bateu o carro e agora está no hospital – comentou Romeu, puxando assunto com a turma.

7_mediunidade_longe_do_dinheiro– Isso é sonho com premonição, não é?

– Acho que é sim – respondeu Laurinha.

– Minha irmã conhece uma mulher que faz premonições com baralho – emendou Lílian.

– Ah! Isso não é premonição, ela vê no baralho o que vai acontecer – disse Romeu, demonstrando esperteza.

– E quem disse que baralho sabe o que vai acontecer com a gente? – se espantou Lílian.

– É mentira! Não é o baralho que conta nada, é a mulher que tem vidência – explicou Laurinha.

– Como assim?

– Ela consegue ver as informações no perispírito da pessoa. Tudo o que ela fala está gravado em nós mesmos. Por isso ela acerta as coisas.

– Humm… Verdade!!! Ela acertou que a minha irmã era casada, tinha um filho e que pretendia comprar uma casa – disse Lílian pensativa.

– É porque sua irmã já tem essas informações com ela!

– Poxa! Não sabia disso! – suspirou Romeu espantado. – Quanto que essa mulher cobra pra ver a sorte?

– Ela cobra??? – Laurinha perguntou com um grito.

– Acho que cobra uns cem reais.

– Coitada!…

– Por que coitada? Deve ganhar uma grana preta – completou Romeu, saltando os olhos.

– Coitada, porque não se deve cobrar pra trabalhar com a mediunidade. Mais tarde ela vai se cobrar ou ser cobrada por isso!!!

Romeu ficou pensando e falou:

– Vixe! Já pensou se ela já tiver gasto todo o dinheiro quando chegar do outro lado? Vai ter que lavar os pratos do refeitório espiritual para pagar as dívidas!

Tem espíritos no banheiro?

A aula havia acabado e todos os alunos saíam da sala. Quando a professora estava se retirando da sala, viu que Laurinha continuava pensativa, sentada na cadeira.

– Vamos, Laurinha! A aula já terminou. Você não vai se levantar?

Correio_447 finalLaurinha, meio sem jeito, disse:

– Eu sei que o sinal já bateu, mas vou continuar pensando um pouco.

– Mas o que aconteceu para você ficar pensando?

– Eu estou aprendendo muita coisa ao mesmo tempo e acho que tenho que organizar as minhas ideias, porque as coisas estão começando a ficar confusas.

A professora olhou para Laurinha num tom preocupado e pensou: “O que será que está acontecendo de tão grave para uma menina de 7 anos ficar tão pensativa?”.

– Eu posso te ajudar em alguma coisa? O que te aflige?

– Muitas coisas, muitas coisas … – respondeu colocando a cabeça entre as mãos.

– Mas minha garotinha, você é muito nova para ficar assim tão preocupada! Continuar lendo